sexta-feira, 13 de junho de 2008

Audrey Hepburn - "Sou um aspargo anguloso"




"Alguma coisa aconteceu entre mim e o cinema. Um milagre. Porque sou exatamente o contrário de uma bela mulher. Sou feia de perfil, tenho orelhas muito grandes, olhos comuns, costas ossudas, nenhum busto. Em resumo, sou um aspargo anguloso, não tenho nada para chamar a atenção dos produtores e espectadores."

Nessa mini-autocrítica de Audrey Hepburn, publicada pela revista Manchete, podemos perceber que Audrey não fazia um retrato muito bom de si mesma. Mas, por que todas as mulheres do mundo querem ser iguais a Audrey Hepburn? Uma pergunta que não quer calar.

Recentemente a Miss Brasil Universo 2007 Natália Aparecida Guimarães fez um ensaio em que exatamente tenta encarnar a famosa "bonequinha de luxo".
"Em verdade, em verdade vos digo": Audrey é a mulher mais perfeita, em todos os sentidos, que já pisou este nosso planeta.
Fotos: 1 - ukonline, 2 - revista Quem Acontece e 3 - site audrey on line

5 comentários:

Luiz Ricardo disse...

Audrey que se cuide, pois encontrou em Natália uma sósia e tanto!!! rsrsrs

J. Botafogo disse...

O cinema foi o responsável por nos presentear as mais lindas mulheres do mundo: Sophia Loren com o seu tipo primitivo e atual, até hoje continua linda; Ava Gardner, a quem Hemingway chamara "um potro selvagem", destroçou o coração de Frank Sinatra; de Marlene Dietrich, escrevera o famoso escritor norte-americano:"Era ela. Ninguém mais descia de um carro daquela maneira, tão prática,tão simples,tão bela e ao mesmo tempo como se estivesse fazendo um grande favor em pisar o pavimento da rua..." Elizabeth Taylor encantou várias gerações com seus olhos azuis violeta e arrebatou vários corações, com o poder ímpar da sua beleza, assim como outras atrizes, que se eu for comenta-las, encheria páginas. E Audrey Hepburn? Como ela mesma dissera, houve um milagre entre essa fantástica atriz e a "Sétima Arte". Que aura! Que magnetismo! Que beleza sem tê-la! No entanto, "todas" as mulhueres queriam imita-la e os homens se apaixonavam por aquela a ser a primeira a divulgar ao mundo um corpo ossudo tão em moda nos dias de hoje. Quanta divindade existia nessa excêntrica atriz de sangue azul, que tão bem desempenhou nas telas cinematográficas, princesa, garota de programa, filha de empregados domésticos morando no quartinho dos fundos da casa, modelo... Reverencio-me diante deste maravilhoso ser humano, que tão cedo nos deixou órfãos.
Abraços.

Raimundo Junior disse...

João Botafogo, achei seu comentário tocante, demonstra o quanto você ama as divas da sétima arte, elas são fenomenais, etéreas e sem elas realmente esse mundo seria muito triste.
Obrigado!
Raimundo Junior

J. Botafogo disse...

Agradeço eu Raimundo Júnior, pela tua atenção quando escrevo neste blog.
Na realidade, comecei a gostar de cinema muito antes de freqüentar as salas de projeções, mas esta é outra história. Sou fã das grandes divas, diretores, atores, dos filmes relevantes e dos que marcaram momentos da minha vida, e colecionador de DVD's cinematográficos, música clássica, ópera e outros mais, se não colecionas essas preciosidades e tens vontade de rever um filme que guardas na memória, ou mesmo concerto, etc. não encontrados nas locadoras,através de Evandro, consulta-me, quem sabe eu não posso ter o prazer de realizar o teu desejo, enviando-te uma cópia. Ultimanmente tenho visto muito de Marlene Dietrich e Bette Davis.
Abraços.

Raimundo Junior disse...

João Botafogo, obrigado pelo oferecimento, tem realmente uns filmes que queria rever, depois faço o contato.Ok? Tenho muita vontade de rever o filme "A Carta" e "Pérfida", ambos com Bette Davis. Mas o filme que mais gostaria de rever é "Júlia" com Vanessa Redgrave e Jane Fonda, a história mentirosa de Lilian Hellmann.
Abraços.
Raimundo Junior